Sobre a arte, por Oscar Wilde

«O artista é o criador de coisas belas.
Revelar a arte e ocultar o artista é o objetivo da arte.
O crítico é aquele que sabe traduzir de outra maneira ou com material diferente a sua impressão das coisas belas.
A mais alta, assim como a mais baixa, forma de crítica é uma autobiografia.
Aqueles que encontram feias significações nas coisas belas são corruptos sem serem encantadores. É um defeito.
Aqueles que encontram belas significações nas coisas belas são cultos. Para esses há esperança.
São os eleitos aqueles para quem as coisas belas apenas significam Beleza.
Não há livros morais nem imorais. Os livros são bem ou mal escritos. Nada mais.
A antipatia do século XIX pelo Realismo é a raiva de Calibã ao ver seu rosto no espelho.
A antipatia do século XIX pelo Romantismo é a raiva de Calibã por não ver seu rosto no espelho.
A vida moral do homem faz parte do assunto do artista, mas a moralidade da arte consiste no uso perfeito dum meio imperfeito. O artista nada deseja provar. Até as coisas verdadeiras podem ser provadas.
Nenhum artista tem simpatias éticas. Uma simpatia ética num artista é um imperdoável maneirismo de estilo.
O artista nunca é mórbido. O artista pode exprimir tudo.
O pensamento e a linguagem são para o artista instrumento de arte.
O vício e a virtude são para o artista materiais de arte.
Sob o ponto de vista da forma, o modelo de todas as artes é a arte do músico.
Sob o ponto de vista do sentimento, o modelo é a profissão do actor.
Toda a arte é ao mesmo tempo superfície e símbolo. Os que buscam sob a superfície fazem-no por seu próprio risco.
Os que procuram decifrar o símbolo correm também seu próprio risco.
É o espectador, e não a vida, que a arte realmente reflecte.
A diversidade de opiniões sobre uma obra de arte mostra que a obra é nova, complexa e vital.
Quando os críticos divergem, o artista está de acordo consigo mesmo.
Pode-se perdoar a um homem o fazer uma coisa útil, contanto que não a admire. A única desculpa de haver feito uma coisa inútil é admirá-la intensamente.
Toda a arte é absolutamente inútil.»

Oscar Wilde (prefácio de O Retrato de Dorian Gray)

Anúncios

Leituras: no coração das trevas

Joseph_ConradJoseph Conrad nasceu na Polónia ocupada dela Rússia. Órfão, foi colocado sob os cuidados de seu tio que permitiu que Conrad viajasse para Marselha e começasse sua carreira como marinheiro com a idade de 17 anos. Em 1878, depois de uma tentativa falhada de suicídio, passou a servir num barco britânico para evitar o serviço militar russo. Conseguiu a nacionalidade britânica em 1886. Em 1895 saiu o seu primeiro romance. Escreveu sempre em inglês. Muitas das obras de Conrad parecem uma adaptação (ficcional) da sua vida no mar.
Um narrador deste romance (um marinheiro?) apresenta Marlow, um marinheiro mais velho, conhecido pela sua vagabundagem e pelas suas histórias. Estão todos em Londres, num barco no rio Tamisa. E é ele quem vai contar, na primeira pessoa, esta história.
Charles Marlow era jovem e desejava conhecer os mares. Depois de várias diligências conseguiu ser nomeado capitão de um barco a vapor, a serviço de uma companhia de comércio de marfim. Não é dito o local mas a interpretação “corrente” é que seria no Rio Congo, para uma companhia belga, durante a época do Estado Livre do Congo.
heartofdarkness2

Depois de ter enterrado o anterior capitão do navio (morto pelos locais), é-lhe dada a tarefa de ir à procura de Kurtz, um chefe de posto muito inteligente (escreveu um relatório com medidas para que os nativos se ocidentalizassem) mas que caiu em desgraça por ter adoptado os seus costumes, se ter tornado um semideus para os nativos e (pior) se ter apossado do marfim como um bem seu.
Marlow não esconde o fascínio por Kurtz, apesar de o tratar quase sempre como o representante do mal. Humaniza-o mas não o compreende.

zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz133619-apocalypse
Mas é ambíguo em relação a tudo o resto. Por um lado critica as condições de trabalho do nativo, ao aspecto burocrático e corrupto dos administradores, bem como a falta de informação por parte destes. Por outro lado é claramente racista na forma como apresenta as situações.
Joseph Conrad escreveu um livro para ser lido pelos colonizadores, não pelos colonizados!

Leituras: um ensaio sobre o humor

Este é um ensaio sobre o que é o humor e como fazê-lo. Muito bem escrito, cheio de referências culturais interessantes, divertidas e pouco conhecidas.
Será que houve algum escritor-fantasma académico (ghost writer) a colaborar com ele? Ou será fruto do mestrado em linguística do autor? Eu sou fã do autor!…
Muito bom!!

RAP Doenca sofrimento livro

 Última Actualização: 12/08/2017