Leituras: Revisitando a acção de Winston Churchill – parte 3

A Loucura de Churchill, de Christopher Cathewood levou-me a ler Churchill, uma biografia escrita por Keith Robbins, também historiador inglês.
Esta biografia é um pequenino resumo da vida de Churchill, em todos os seus aspectos (Martin Gilbert, o biografo oficial de Churchill escreveu uma muito maior). Vou destacar um: o papel de Churchill na 2ª Guerra Mundial.
Winston Churchill queria estar no poder, mas só com a 2ª Guerra Mundial teve oportunidade de ser 1º Ministro. Durante grande parte do conflito foi chefe de um governo de união nacional, composto pelo Partido Conservador + Partido Liberal + Partido Trabalhista. O governo de coligação de Churchill era mandatado pelo Parlamento Britânico, que o podia destituir a qualquer momento.
O poder foi-lhe “passado” por Neville Chamberlain (que fora até então 1º Ministro e era o líder do Partido Conservador) em 1940. Chamberlain viu nele o salvador, visto Churchill ter sido dos poucos a ter a intuição acerca da perigosidade de Adolf Hitler. Chamberlain estava nessa altura totalmente desacreditado, mesmo dentro do Partido Conservador. O autor alega que um dos motivos porque Chamberlain hesitou em combater Hitler e preferiu o apaziguamento foi, para além do trauma da 1ª Guerra Mundial, a convicção de que o império não sobreviveria a mais uma guerra (já que a autoridade da Grã-Bretanha começava a ser colocada em causa, cada vez mais).
Já Winston Churchill pensava que a guerra era necessária e teve à altura da tarefa. Até 1941 combateu praticamente sozinho Hitler: os seus aliados eram a China (que combatia o Japão no seu território) e a França Livre (chefiada por Charles De Gaulle era um exército muito pequenino, ainda por cima dependente da ajuda da Grã-Bretanha). E era uma guerra dispersa por três continentes: Europa, Ásia e África. Em Julho de 1941 os soldados alemães, a mando de Hitler, invadiram a União Soviética. Churchill nessa altura pôs de parte o seu anticomunismo e aliou-se a Estaline para derrotar Hitler. Em Dezembro do mesmo ano foi a vez dos Estados Unidos entrarem na guerra, depois do ataque de Pearl Harbour.

Churchill rejubilou com estes novos aliados mas pouco a pouco foi-se dando conta de que tanto o Reino Unido como ele próprio ia perdendo o seu poder enquanto potência mundial, pois as decisões principais iam passando a ser tomadas por Estaline e Franklin Roosevelt. Por exemplo, foram os britânicos que começaram a investigações para a bomba atómica. Mas como chegaram à conclusão de que não tinham capacidade tecnológica para a fazerem, pediram ajuda aos Estados Unidos. Em pouco tempo os Estados Unidos tomaram conta do projecto e a opinião de Winston Churchill não foi tida em conta. Mesmo assim, achava que era seu dever ir às reuniões dos Aliados.
Nas eleições realizadas logo após a 2ª Guerra Mundial, Winston Churchill e o Partido Conservador perderam. Quem venceu foi o Partido Trabalhista (pela primeira vez). Churchill passou então cinco anos alternando entre conferências internacionais e as actividades como líder da oposição. Foi numa dessas conferências que usou a famosa expressão “cortina de ferro” (em 1946) para designar a nova configuração do mundo.
No entanto, a partir do momento em que teve conhecimento que os soviéticos detinham a bomba atómica defendeu um entendimento entre os Estados Unidos e a União Soviética para a divisão do mundo (aquilo que ficou conhecido como détente).
Tal como De Gaulle, Churchill via-se como um predestinado. E tinha uma enorme vontade de ter poder e planeava as suas acções para que fossem conhecidas. Como não havia a mediatização actual ele mesmo se encarregava de as relatar, primeiro escrevendo artigos para jornais, depois fazendo livro. Tinha uma extraordinária preocupação com a imagem e ao mesmo tempo era uma pessoa excêntrica e volúvel, e não se preocupava com isso. Foi um político muito contraditório.

Leitura de:
Keith Robbins, Churchuill (Mem Martins, Inquérito, 1997.
Imagens retiradas de: Buy.com; Annualia.

Fim das Leituras sobre Churchill
1ª Parte
2ª Parte

Anúncios

Leituras: Gorbachev, Determinismos e o Pós-comunismo – parte 3

Continuação da Leitura de O Pós-comunismo: do Atlântico aos Urais, de Jacques Lesourne e Bernard Lecomte (Venda Nova, Bertrand, imp. 1991).

Jacques Lesoune e Bernard Lecomte, debruçam-se seguidamente sobre a situação dos países da Europa de Leste e, em especial da Alemanha. Este foi um processo mais fácil, pois mesmo durante o comunismo havia muita gente que simpatizava com as democracias europeias e via o comunismo como um regime importado e opressor. No entanto, também aqui Mikhail Gorbatchev e os reformistas de Moscovo tiveram, de 1985 a 1990, uma acção dúbia. E em cada país tomou um caminho diferente.
– A Polónia foi, de todos, o país menos permeável ao comunismo. Mais uma vez, para analisar o país, os autores recorrem a Emmanuel Todd:
«O sistema de parentesco polaco revela da família nuclear igualitária, como no norte da França e em certas regiões da Itália, Espanha ou Portugal: igualdade dos irmãos, ausência de coabitação dos filhos casados e de seus pais, recusa entre o casamento entre os filhos de dois irmãos, ou seja, entre primos. Este sistema opõe-se tanto na família rude alemã como na família comunitária russa, dando origem a uma cultura igualitária e individualista que muitas vezes comprometeu o destino do Estado polaco, mas que não deixou de corroer o comunismo panificador imposto por Moscovo».
Os autores evocam também a vontade de independência polaca: entre 1795 e 1918 a Polónia foi desmembrada e os seus territórios fizeram parte, do império austríaco (no século XIX designado Império Austro-húngaro), do reino da Prússia e do e do império russo. A independência foi declarada no fim da 1ª Guerra Mundial e a 2ª Guerra Mundial aumentou a coesão nacional. Foi o país que desde o início mostrou mais hostilidade aos russos, sobretudo depois do massacre de Katyn em 1940. Por isso, depois da morte de Estaline os polacos tentaram de todas as formas livrar-se da dominação soviética. No entanto, depois do fracasso da Primavera de Praga os polacos tiveram durante alguns anos sem mostrar hostilidade directamente. Mas a elevação de Karol Wojtyła a Papa João Paulo II e a politica seguida por Mikhail Gorbatchev foram as oportunidades que os polacos esperavam. Este último conduziu negociações que visavam manter o poder russo por mais algum tempo, através de eleições, onde 65% dos lugares pertenceriam ao POUP e os 35% restantes às forças da oposição. Mas o POUP acabou por perder essas eleições, bem como o referendo feito anteriormente. Como consequência o POUP praticamente desaparece do espectro político e “converte-se” à social-democracia.
– A Hungria seguiu um caminho diferente. Em Outubro de 1956 a revolução contra o poder de Moscovo ter foi esmagada pelos soviéticos. János Kádár, líder comunista que por várias vezes chefiou o Conselho de Ministros polaco, conseguiu de Moscovo alguma autonomia em troca do alinhamento da Hungria na política externa soviética. Essa autonomia permitiu os húngaros ter pequenos espaços de liberdade que eles aproveitaram o máximo que poderam. Quando Mikhail Gorbatchev sobe ao poder os húngaros não se sentiram por isso mais livres, até porque tiveram medo que este pusesse em causa a autonomia conquistada. Em Maio de 1988 János Kádár é substituído por Karoly Grosz. Mas nessa altura já havia políticos, como Imre Pozsgay, que consideravam o comunismo irreformável e que desejavam a democracia. Em Fevereiro de 1989 o Magyar Szocialista Munkáspárto (Partido Socialista dos Operários Húngaros, o partido do poder) pronuncia-se a favor do multipartidarismo e em Outubro do mesmo ano transforma-se em partido socialista. E em Março de 1990 o Magyar Demokrata Fórum (Fórum Democrático da Hungria), de centro-direita, chefiados por József Antall, venceu as primeiras eleições livres do pós-comunismo.
De notar que, durante este processo, os húngaros acolheram dentro do seu país emigrantes que fugiam da RDA e deram-lhes abrigo. A Hungria serviu assim de porta de entrada nos países democráticos da Europa e nos Estados Unidos, para muitas pessoas sem esperança.
– Em relação à Republica Democrática Alemã (ou RDA) esta foi uma criação artificial de Estaline para quebrar a força alemã. Foi erguida uma Cortina de Ferro e o muro de Berlim. Estes obstáculos foram deitados abaixo em 1989, pela vontade dos povos húngaro e da RDA. Em Outubro desse ano realizam-se desfiles em Leipzig (território da RDA) para exigir a democracia. Mikhail Gorbatchev, em 6 e 7 de Outubro desse ano, durante uma visita (por ocasião do 40º aniversario da RDA), encoraja os reformadores comunistas e pede paciência aos jovens. Em 18 desse mês Erich Honecker é substituído por Egon Krenz. No entanto as manifestações pela democracia continuam, levando Egon Krenz a abrir o muro e a fronteira com a República Federal Alemã (RFA). Em Novembro de 1989 Hans Mosrow substitui Egon Krenz, mas antes o muro de Berlim já tinha caído e o reformismo comunista de Mikhail Gorbatchev tinha deixado de fazer sentido. A Alemanha começou o caminho para a reunificação.
– Em relação à Bulgária, a situação foi mais complexa. Os autores consideram que a Bulgária tem afinidades demográficas com a Rússia (mais uma vez baseados nos dados de Emmanuel Todd): «Com as suas afinidades eslavas, a sua religião ortodoxa e a sua família comunitária exógama, a Bulgária aceitou sem grande resistência um comunismo directamente importado de Moscovo. E por isso também não deve espantar que, como a URSS, o impulso tenha sido dado de cima».
Em Novembro de 1989, já depois da queda do Muro de Berlim, Todor Jivkov da direcção do conselho de Estado (que governava o país) é demitido pelos seus pares. O pretexto usado foi a sua politica de repressão aos muçulmanos búlgaros, que tinham começado a sair do país. Foi substituído por Petar Mladenov, que tinha sido ministro dos Negócios Estrangeiros até àquela data. Apenas no dia 18 de Novembro de 1989 o búlgaros vieram para a rua exigir democracia. Realizaram-se as primeiras eleições livres para a presidência da República em Julho de 1990 que resultaram na vitória do mesmo Petar Mladenov. No entanto, ele teve de resignar do cargo quando foi acusado de ter sugerido o uso de tanques contra as manifestações anti-governo realizadas no ano anterior. Foi substituído por Jeliou Jelev, que foi eleito por uma Assembleia Constituinte. Em 1992 este foi confirmado no cargo. Em Agosto de 1990 uma multidão provocou um incêndio na sede do Partido do Povo da Bulgária (como era conhecido o partido comunista), como forma de represália por causa dos anos de opressão.
– A Checoslováquia era um país que existiu entre 1918 e 1993. Entre 1948 e 1989 foi dominada pelos comunistas. Hoje são dois países diferentes, a República Checa e a Eslováquia. Mais uma vez, na sua análise, os autores seguem Emmanuel Todd:
«À família “rude” da Boémia, terra de eleição da sócio-democracia de entre as duas guerras, opõe-se a família comunitária exógama, mais autoritária e autoritária, da muito católica Eslováquia. A Boémia manifesta, de resto, desde o desastre da Montanha Branca que provocou o esmagamento dos Habsburgos da nobreza checa (1620), uma certa repugnância pela luta armada, não sem manter uma longa tradição de resistência passiva à dominação cultural que alimentará, em 1968, a “Primavera” histórica».
A Primavera de Praga, em 1968, foi liderada por intelectuais reformistas do Partido Comunista Checo. Esse movimento teve final infeliz, pois em Agosto de 1968 a Checoslováquia foi invadida pela URSS. O fracasso deste movimento levará a que só em 1989 os checoslovacos soltem a sua voz contra o comunismo. Em 17 de Novembro ocorre a primeira manifestação, organizada (segundo Jacques Lesourne e Bernard Lecomte) pela polícia politica. A partir daí, sob impulso de Vaclav Havel, que liderava o Fórum Cívico, ocorreu a “revolução de Veludo”, que mudou a maior parte dos dirigentes do país. Vaclav Havel foi eleito presidente da República da Checoslováquia nas primeiras eleições livres. Depois conduziu o processo de separação das duas repúblicas, apesar de ser favorável à manutenção da federação.
– Na Roménia as coisas ocorreram de forma muito violenta. Os autores comentam que a revolução romena foi praticamente seguida, momento a momento, pelas televisões do Ocidente.
«Mas retomemos os factos tal como hoje eles podem reconstruir-se, num país em que o comunismo se fez caricatura de si mesmo e se distingue dos países vizinhos em dois planos: com a família nuclear igualitária, fortemente marcada por influências comunitárias, a Roménia, ao mesmo tempo tentada pela anarquia e o autoritarismo, não se situa nos limites da democracia nem do comunismo. Revela-se como um pequeno país e o seu nacional-comunismo, afastou-se profundamente do grande irmão soviético, que nunca manifestou uma excessiva simpatia por esta nação latina».
A Roménia tinha perdido parte do seu território para a URSS e para a Hungria antes da 2ª Guerra Mundial. Por isso, os romenos apoiaram Hitler contra os soviéticos no inicio da guerra. Em Agosto de 1944 um golpe de estado conduzido por Miguel de Hohenzollern-Sigmaringen (que foi o último rei do país) com o apoio de políticos de oposição e do exército, depôs a ditadura Antonescu e colocou os exércitos romenos sob o comando do Exército Vermelho. Aproveitando a situação romena, os soviéticos ocuparam o país e tornaram-no um país comunista. Passou a ser chamado de República Popular da Roménia. Entre 1965 e 1989 quem governou o país foi Nicolae Ceauşescu. Este foi genuinamente popular no início do seu governo e manteve relações com o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional, bem como com países como Israel, China, República Federal Alemã e Albânia. No entanto o período de aparente liberdade teria vida curta. Desde 1971 havia uma conspiração para depô-lo. Ian Iliescu foi afastado nos anos 70 do século XX e fundou uma organização politico-militar composta por antigos dirigentes comunistas – a Frontul Salvarii Nationale (FSN, Frente de Salvação Nacional). Em 16 de Dezembro de 1989 uma manifestação em favor de László Tőkés, um pastor da Igreja Reformada da Roménia (calvinista) é fortemente reprimida, levando à morte de 100 pessoas. Essa repressão levará a uma revolta violenta, que levará à fuga de Nicolae Ceauşescu. Ian Iliescu conseguiu eleger-se e ao seu partido como novos representantes do país, matando depois, sem demora, os comunistas da Securitate que ainda apoiavam o poder anterior e o próprio Nicolae Ceauşescu (julgado e morto em poucos meses). O Partido Comunista foi declarado ilegal e as medidas mais impopulares de Nicolae Ceauşescu, como a proibição do aborto e da contracepção, foram revogadas.
Em 2005 começaram as investigações que podem levar ao julgamento de Ion Iliescu sob acusações de crimes contra a humanidade. Também se especula acerca das suas ligações ao KGB.
Os autores comentam que a mão de Mikhail Gorbatchev teve sempre na condução destes acontecimentos, nomeando reformadores do partido para tentar condicionar os acontecimentos. Mas em quase todos os casos essa intervenção não adiantou de muito, pois as pessoas estavam fartas do comunismo.
Depois desta avalanche, apenas a Albânia se manteve comunista. Os autores apenas falam da Jugoslávia de passagem, já que o seu comunismo à muito se tinha desligado da URSS.

Fonte da Imagem: Transitions Abroad.com

Fim da 3ª Parte

Leituras: Gorbachev, Determinismos e o Pós-comunismo – parte 2

Continuação da Leitura de O Pós-comunismo: do Atlântico aos Urais, de Jacques Lesourne e Bernard Lecomte (Venda Nova, Bertrand, imp. 1991):

No capítulo seguinte os autores debruçam-se sobre o “império deslocado”, ou seja, as repúblicas que faziam parte da União Soviética mas que na altura (1990) estavam a pedir a sua independência. Segundo a tese oficial comunista, o regime tinha erradicado o racismo e promovido a paz e a união entre os povos. Ora a realidade era bem diferente. Especialistas como Michel Garder, Andrei Amalrik, Emmanuel Todd e Hélène Carrère d’Encausse nunca acreditaram nessa tese. Apesar da homogeneização crescente promovida durante decénios na União Soviética, os povos nunca perderam totalmente as suas características específicas. Estes povos têm características que os diferenciam, seja do ponto de vista religioso, nas tradições, na demografia e mesmo na história. Ora, a glasnost deu oportunidade de manifestações a todas estas especifidades nacionais e regionais, trazendo para primeiro plano o nacionalismo latente. Os autores fazem notar que em muitos casos Estaline apoiou as independências nacionais para depois, em 1940 as anexar e submeter.
Para os autores, o desmembramento da União Soviética era algo que não podia ser adiado eternamente, visto que mais tarde ou mais cedo seria inevitável acontecer. As políticas de Gorbatchev apenas deram o impulso inicial necessário.
Jacques Lesoune e Bernard Lecomte comentam que durante todo o processo de desmembramento da União Soviética Mikhail Gorbatchev teve um acção dúbia. Se por um lado não conteve totalmente as revoltas nacionalistas por outro tentou, de todas as formas possíveis, manter o poder e a influência da Rússia sobre os outros estados.
A independência declarada de várias nações levou ao despertar do nacionalismo russo. Este nacionalismo manifestou-se pela «preservação da Natureza, restauro dos monumentos históricos, o estudo da História, o restabelecimento dos antigos nomes de ruas e de cidades» e renascimento da igreja ortodoxa. No entanto, com o tempo (e isso já se notava em 1990) sobressaía a sua componente xenófoba, com «um triplo alvo: os judeus, os outros povos da União Soviética e o estrangeiro em geral». Nesse contexto nasce o movimento Pamiat (que significa memória em russo), que glorifica a Rússia pré-revolucionária e tem carácter neo-fascista, entre outros.

Leitura Complementar, relativa à situação actual: Estado e Igreja russos cada vez mais fundidos; A Juventude NASHI.
Fonte da Imagem: The Berdichev Revival.

Fim da 2ª Parte