O Dia em que Concordei com Tom Ford

«Estou cansado do culto à juventude, a rejeição cultural da velhice, a estigmatização das rugas, cabelos grisalhos, de corpos sulcadas pelos anos. Sou fascinado por Diana Vreeland, Georgia O'Keeffe e Louise Bourgeois, as mulheres que deixaram o tempo abraçá-las, sem nunca fazer uma plástica. A sociedade de hoje condena isto, eu vou celebrá-la. Para esta …

Anúncios

Notas (de uma portuguesa) de visita em Lisboa (Setembro de 2017)

1. Lisboa está melhor em termos urbanos. Mais passeios! 2. O executivo camarário de Fernando Medina (PS) pensou a cidade para os turistas, não para os residentes. Por isso aquilo que me causa alegria quando passeio por Lisboa causa problemas a quem cá vive. 3. Se os residentes não foram tidos em consideração, muito menos …

Leiria, 2014: O alternativo é o novo mainstream?

«E vai daí, parece que a chamada ‘Grande Cultura’ (a dominante, a predominante, a reinante… essa toda!) já não é aquela coisa inquestionável, indiscutível, incontestável. O espectro alargou-se de tal forma que o alternativo é o novo mainstream. Será? A boa notícia é que quando se vai aos saldos, já não é preciso gramar com …

Portugal, 2014: Despedir sem justa causa é ilegal mas não faz mal

«Ainda não é o vale tudo no mercado de trabalho. Mas para lá caminhamos. Primeiro, o Governo tentou acabar com a necessidade de haver uma "justa causa" para despedir. A Constituição impediu-o. O Executivo não desarmou. Se o despedimento sem justa causa tem de ser ilegal, então atenue-se a sua penalização. A notícia surgiu ontem …

A seguir em 2014…

«(...) Janeiro/Fevereiro – CDS e PSD reunem os seus congressos electivos. E se deles não sairão novos líderes, as moções e discursos balizarão o terreno político que cada um quer trilhar no futuro. Ao mesmo tempo, no Governo, estarão juntos a negociar o pós-troika entre si e com os credores. Março – Na Primavera deverá …

Passos natais passados

«Em 2010, na oposição, Passos garante que, devido à crise, lá em casa só haverá presente para "a mais nova". "Foi um ano muito duro", diz no vídeo de Natal. "Pelo desemprego, pelo aumento dos impostos, na redução dos salários, na quebra do investimento. Enfim, é um período de grande tensão e de incertezas tanto …