Sinais de alerta de fascismo de acordo com Umberto Eco

Sinais fascismo Umberto Eco
Comentarium: Considero o culto das tradições e raízes algo bom, desde que se não apele ao ódio ao que é diferente dessas tradições e raízes.

Quanto ao resto concordo com Umberto Eco, embora note que qualquer política ou partido vencedor de eleições terá sempre a vontade de se ver como a “voz do povo”.

Anúncios

Catalunha

mapa-catalunha
Por mim, por mais que se leia que a nação é uma invenção, as independências têm ainda assim vez e legitimidade!!
Sou apoiante da ideia da Catalunha independente, mas não concordo com tudo o que Carles Puigdemont e o seu partido enquanto poder fizeram. Provavelmente eles têm feito o melhor que podem. Não percebo que ilusões levaram Puigdemont até Bruxelas!!

Ver Também:

Puigdemont em liberdade condicional

Puigdemont e quatro ex-conselheiros sob custódia

Catalunha. Sondagem dá vitória a pró-independentistas mas sem maioria

Justiça belga dá pressa à detenção de Puigdemont

Espanha: Movimentos Separatistas (Catalunha)

Catalunha: Justiça marca datas para ouvir Puigdemont e aplica-lhe fiança milionária

Catalunha, a liberdade não é um posto

Deputados catalães aprovam declaração unilateral da independência

A map of Europe’s separatist movements

Constituição espanhola de 1978

História da Catalunha. Relato de uma submissão indesejada

Há 800 anos, a Catalunha era parte de Espanha?

Rei de Espanha fala em “deslealdade inadmissível” na Catalunha

 

Hoje lembrei-me de Mariana Mortágua

«Sinceramente não percebo porque é que é uma polémica. Não podemos dizer à boca-cheia que não somos sexistas, que queremos uma sociedade livre de sexismo e depois ser altamente permissivos com todas as formas de sexismo, nomeadamente a reprodução de papéis de género que estão na base do sexismo, ainda mais em materiais educativos para crianças de quatro a seis anos. Ou somos brutalmente exigentes com a democracia que queremos ter, sobretudo na educação, ou continuamos a permitir a reprodução destes estereótipos e não podemos querer depois que a sociedade mude. Para mim é tão óbvio isto. Para mim não tem nada a ver com a liberdade de expressão, não tem nada a ver com liberdade literária, artística, de produção, nada a ver. Estamos a falar de materiais educativos. Não é liberdade ter material educativo que seja sexista; não, não é. Tal como não é liberdade ter material educativo que seja racista. Porque nós assumimos enquanto sociedade, e inscrevemos isso na Constituição, e em várias leis e convenções internacionais, que a sociedade em que queremos viver não é racista nem sexista.»
Mariana Mortágua

image

Fonte: Diário de Notícias, 01/09/2017.

A minha visão para Leiria

Hoje é dia de eleições autárquicas. Não fiz parte de nenhuma lista nem apoio nenhum movimento. Apoio apenas ideias. São elas que ficam aqui, neste texto. Se alguém as quiser copiar e usar está à vontade.

Leiria Cidade

800px-LEIRIA_E_CASTELO
– Não me parece boa ideia construir um pavilhão multiusos junto ao estádio. No máximo, construir um pavilhão multiusos NO topo norte do estádio. E menos estacionamento a pagar.
– Retirar o drive in do McDonald’s do local onde se encontra, causando caos na estrada nos dias de mais afluência.
– Implementar no edifício da Pousada da Juventude, no Terreiro, um programa de residências artísticas.
– É necessário mais estacionamento e uma melhor rede de transportes públicos que faça boas ligações às freguesias.
– A câmara não deve permitir mais centros comerciais no concelho, para além dos já aprovados até 2017. E deve apoiar, sempre que possível, o comércio tradicional.
– Instalação da Loja do Cidadão no Edifício O Paço.
– Estádio mantém actuais usos: é mau ter um estádio assim, mas as ideias alternativas são piores.
– Requalificação e manutenção das ruas da cidade
– Arranjar alternativas de estacionamento e transportes públicos para retirar carros do Bairro dos Capuchos.
– Requalificação do percurso Polis.
– Mais limpeza do rio Lis.
– Lutar pela criação da Estação de Tratamento de Efluentes Suinícolas, paga e controlada pelos podes públicos.
– Renovação do actual mercado municipal, não construção de um novo.
– Arranjar formas de fixar mais pessoas no centro histórico. «O nosso trunfo tem de ser a qualidade de vida. A dinâmica cultural. Bons restaurantes e boa hotelaria. Uma noite atractiva. Acho muito mais importante garantir condições aos Leirienses, às pessoas do distrito e arredores, para se fixarem cá.» Ricardo Graça.
– «Criar uma identidade para a cidade. E, já que há a febre de sermos capital de alguma coisa (já somos de distrito mas às vezes não parece). Vamos ser a capital da sustentabilidade. Vamos apoiar a compra de carros eléctricos. Vamos fornecer bicicletas eléctricas aos munícipes. Vamos forrar os telhados públicos de painéis solares. Vamos fechar ruas ao trânsito. Ou então vamos ser a capital da Morcela de Arroz, ou da Brisa do Liz. Marketing meus senhores, marketing. Vamos ser a capital da música, temos carradas de bandas, achamos que mais nenhuma cidade tem tantas bandas e tão boas. Vamos criar condições para que ainda sejam mais, ou mais reconhecidas. Vamos criar salas de ensaio, um estúdio de gravação com condições, uma sala de concertos.» Ricardo Graça.
– Fazer campanha permanente para tornar o Instituto Politécnico de Leiria uma Universidade.
– Criar um centro empresarial ou um casino no Edifício da EDP. Não construir aí um museu.
– Mudar a PSP de sítio e aquele espaço poder servir de estacionamento para quem vai ao castelo, para quem vai ao centro histórico.
– «Não precisamos do aeroporto em Monte Real, também porque já se fala nisso há 20 anos e na verdade foi um dossiê que nunca avançou.» Ricardo Graça
– Construir o Jardim da Almuinha Grande.

Leiria Concelho, ou seja, freguesias

Leiria_freguesias_2013.svg
(Engraçado constar que a maioria dos debates entre candidatos à gestão do município se tem ficado por Leiria Cidade. Depois em cada freguesia é disputada separadamente. Não deveria ser assim: um bom programa autárquico deveria contemplar TODAS as freguesias.)
– Fazer manutenção e melhoria nas condutas de água canalizada. Não privatizar a água do concelho.
– Requalificação e manutenção das ruas do concelho.
– Assegurar um médico de família para todos os cidadãos do concelho
– Promover a economia circular
– Arranjar postos de recolha de monos (vulgarmente conhecidos por “monstros”, os lixos de grande dimensão como máquinas de lavar, colchões, móveis, etc.) em cada freguesia
– Seria interessante que as freguesias se entreajudassem entre si: criando sinergias.
– Seria importante voltar ao mapa das freguesias anterior a 2013. As “Uniões de Freguesias” não fazem sentido.
– Todas as freguesias necessitam de obras de melhoramento, mas normalmente só as que são do mesmo partido que está no município as têm. Esta crítica é valida para todos os executivos camarários no pós-25 de Abril.
– Deve ser criado um plano para o Concelho que contemple todas as freguesias, com infra-estruturas e melhoramentos a fazer em cada uma delas.
– Requalificação urbana (da antiga freguesia de) Marrazes
– Criar espaços verdes nas urbanizações sem eles (na antiga freguesia de) Marrazes
– Construção de mais passeios em todas as freguesias
– Concluir o saneamento básico em todo o concelho
– Arranjar formas de fixar mais pessoas nas aldeias / freguesias
– Inventariação de casas devolutas e património degradado em todo o concelho
– Criação de uma bolsa de arrendamento
– Manutenção de estradas e redes viárias
– Reivindicar a manutenção dos Postos Médicos existentes e mesmo a contratação de mais médicos de família.
– Reabrir as Termas de Monte Real.
– Criar Ciclovia Bajouca-Monte Redondo-Coimbrão-Praia (14 Km)
– Requalificação da Linha do Oeste e criação de condições para que todos os leirienses passem a usar mais o comboio.

– Política cultural:
a) Eventos do município também nas freguesias;
b) Menos eventos organizados pelo município, mais espaço às associações do concelho;
c) Apoio equitativo a todas as associações;
d) Arranjar formas da Leiriagenda digital chegar a mais pessoas;
e) Arranjar formas da Leiriagenda em papel chegar a mais pessoas;
f) Candidatar Leiria a Capital Europeia da Cultura em 2027;
g) Adquirir a casa onde viveu Eça de Queirós e instalar uma casa museu;
h) Retomar um Festival de Jazz anual no concelho;
i) Continuar a apoiar as editoras locais e os escritores leirienses.

 

Inspirado em…
– Maria Anabela Silva, “O pavilhão da discórdia, um casino e uma parada gay” In Jornal de Leiria, 28/09/2017;
– Ricardo Graça;
– Propaganda política de todas as forças partidárias concorrentes ao concelho de Leiria às eleições autárquicas no ano 2017.

 

Última Actualização: 03/10/2017