Desafio de Escrita dos Pássaros #12

d37439ab845ddba5dd7afde9cc5c8ae6

Intervenção da narradora-autora: Enquanto Guilherme e Matilde passaram o segundo dia das férias nada românticas na “Cidade dos Arcebispos” a discutir se adoptavam ou não Constante, Guillaume decidiu tirar o dia para fotografar aquela cidade do Litoral que muita gente pensa que fica no Interior.
E, como a maioria das cidades portuguesas, o grande ex-libris e ponto de interesse é o Castelo. Que se encontrava em obras… pelo que Guillaume teve de ficar apenas a observa-lo e a fotografá-lo na entrada. Quando chegou ao local havia silêncio: só se ouvia as máquinas das obras. Passados dois minutos de estar no mesmo local, começou a ouvir pássaros. Pássaros que cantavam continuamente, fazendo um barulho horrível.
Guillaume: Ces oiseaux ne se taisent pas! Ces oiseaux ne se taisent pas!! Ces oiseaux ne se taisent pas!!
Intervenção da narradora-autora: Guillaume gritou até não poder mais. Depois lembrou-se da lenda que tinha lido num postal turístico desta cidade provinciana. Teria em tempos havido um ou dois corvos que com os seus gritos ajudaram o primeiro rei do país, um tal Afonso, a conquistar castelo. Pois, os pássaros deram sorte aos portugueses, pensou Guillaume. Mas não aos franceses. Guillaume voltou para o hotel com uma dor de cabeça terrível!

NOTA: O tema da semana do Desafio de Escrita dos Pássaros teve como tema “Aqueles pássaros não se calam”.

Para saber mais: A Lenda dos Corvos no CEAO.