Desafio: Coisas que aprendi com o meu sobrinho e os meus avós!

avos-revista-estante-fnac

A melhor coisa de ter mais de 40 anos é que já tivemos oportunidade de aprender coisas com muita gente. Tanta gente que já marcou a minha vida! Por isso quando a Carolina desafiou falar das “Coisas que aprendi com alguém muito importante” ficou difícil escolher. Já aqui falei das minhas heroínas e do que aprendi com elas. Por isso decidi desta vez de revelar o que aprendi com o meu sobrinho e com os meus avós.

O meu sobrinho tem apenas 4 anos mas já me ensinou muito:
– Confirmei que as crianças são sem dúvidas uma fonte inesgotável de alegrias. Devia ser obrigatório guardar o espírito de criança connosco para sempre.
– E também que as crianças são uma fonte inesgotável de preocupações.
– A idade dos porquês devia durar toda a vida!
– Não se pode fugir de quem somos. Mais tarde ou mais cedo isso aparece.

Não tenho nenhum dos meus avós vivos  e tenho muito boas recordações de todos. Eles deixaram-me um grande legado de aprendizagens. Eis algumas delas:
– Não se pode fugir de quem somos. Mais tarde ou mais cedo isso aparece.
– É bom dar-nos bem com toda a gente. Toda a gente tem valor, qualquer que seja a sua profissão.
– Não podemos guardar as demonstrações de carinho para a altura da nossa morte. Nessa altura é tarde demais!
– A esposa não se deve anular para o marido. Há quem ache isso o máximo (mesmo gente que se diz “moderna”) mas eu já vi inúmeras vezes o quanto isso é prejudicial.
– Devemos procurar-nos dar bem com a família. Mas chega a certa altura em que as zangas são inevitáveis.