Louco Amor e Dancin Days: as telenovelas da austeridade pop : parte 2

 Dancin Days, o remake

Dancin Days é uma adaptação portuguesa de uma telenovela do mesmo nome, feita por Gilberto Braga. O argumento original, tal como esta versão, centra-se na história de Júlia, uma ex-presidiária.

A estória original: A história começa com Júlia obtendo a liberdade condicional, após onze anos de prisão por um atropelamento a um homem durante uma fuga depois de um assalto a um banco. Assim, com o estigma da criminalidade passada, Júlia procura ser (re)aceite na sociedade e sobretudo amada pela filha (que a vê como uma estranha). Nessa altura, sob outra identidade procura influenciar a filha para que não se case por interesse, tal como sua irmã deseja. A filha de Júlia acaba por dar no namorado da altura o “golpe da barriga” tal como a sua tia deseja. No dia do casamento Júlia é presa depois da denúncia de uma convidada. Essa prisão acabará por estabelecer uma viragem na sua vida: pouco tempo depois conhece um milionário e casa-se com ele, muda de visual, faz uma viagem internacional e só então regressa ao convivio da filha e da irmã. Este regresso mostrará uma Júlia diferente, mais chique, arrogante e fútil. E começa a vingança ao ex-namorado, à filha e à irmã… que no final trará a reconciliação com os três.

A telenovela original foi transmitida entre Julho de 1978 e Janeiro de 1979 e é um reflexo do Brasil dessa época: no inicio dos anos 70 o Brasil tinha passado por um “milagre económico, cuja ressaca se vivia no final da década; no Brasil foi a decáda de sucesso do movimento MPB (Música Popular Brasileira, um movimento pós-Bossa Nova), por isso foram convidados vários cantores para fazer participações em Dancin Days (Gal Costa, por exemplo); a moda tornou-se mais colorida. Uma parte da estória desenrola-se entre tertúlias entre conhecidos / amigos e festas em discotecas. É disso reflexo o genérico ou esta cena.

A adaptação portuguesa tem mostrado algumas nuances em relação a esta versão, mas poucas. Até agora não tem havido interesse em explorar o lado musical e boémio da estória original (e provavelmente não haverá no futuro).

Embora seja um remake, tem preteções de ser uma obra original. Gilberto Braga, o autor do original, deu inteira liberdade para isso (3): «Ainda não vi nenhum capítulo, mas tive um encontro com o autor português Pedro Lopes e lhe dei inteira liberdade. Aliás, pedi que ele assinasse como autor, inspirado na minha novela». Assim, nesta telenovela foram introduzidos novos temas, que pretendem “vestir” na perfeição os temas “quentes” de Portugal no século XXI. Desse ponto de vista esta produção luso-brasileira mostra mais coragem que a telenovela da TVI. Já em relação ao tom das estórias é outra coisa…

O trio protagonista…

(Personagem A) Raquel é a maior vilã da história até agora. Atropelou um homem e deixou que a irmã assumisse a culpa. Tem feito tudo para afastar a irmã da sua filha biológica, argumentando com o facto desta ser ex-presidiária e não ter “posição social”. Casou-se por interesse. Traiu o marido. Tentou comprar os bens do ex-marido a preço de saldo. Tal como a Raquel biblica, é estéril e tem inveja da irmã. Será vilã para sempre ou a pobresa trará o caminho da redenção? Não poderá trilhar esse caminho sem ficar pobre? De acordo com a moral do original, não. De acordo com o moralismo imoral do século XXI, também não.

(Personagem B) Júlia é a protagonista, cuja principal objectivo de vida é aproximar-se da filha.

Fase 1: Boa moça, assumiu a culpa de um atropelamento que a irmã cometeve, esteve presa em vez dela, permitiu que ela lhe criasse a filha, foi humilhada por 50% do elenco quando saiu da prisão.

Fase 2: Casou por interesse e trai o marido com o seu amor de sempre. Tal como Raquel. E é arrogante. Não desistou de conquistar o amor da filha, tarefa ainda em curso.

Que trará a fase 3?

(Personagem C) Mariana é uma menina mimada pela tia (a quen chama de mãe), que apenas lhe exigiu duas coisas: que tentasse ser uma tenista de sucesso e que casasse com um pretendente rico. Graças a uma gravidez inesperada, conseguiu satisfazer a segunda exigência da tia. Não é feliz. Descobriu recentemente que a tia / mãe adoptiva traiu o pai adoptivo durante muito tempo. Vai descobrir que o marido a trai e divorciar-se. Só começou a falar como deve ser para a mãe depois dela deixar de ser pobre.

Outros núcleos…

Imensos homens e mulheres com problemas de dinheiro. Vários homens traem ou são traídos.

Um homem (Aníbal) com um casamento frustrante que se descobre homossexual. A sua ex-esposa é bipolar, completamente desorientada emocionalmente. A sua filha esteve para casar e emigrar mas desistiu, e agora está apaixonada pelo grande amor de Júlia.

A empregada da loja de doces que é stripper e sonha ser actriz. É amante de um homem (ex-)rico e do seu filho: ambos estão casados.

Teresa, a mãe controladora e que mima demasiado os filhos (tudo que ela faz é para bem-estar da família, desde que todos se comportem como ela espera). Esta é uma personagem indispensável em qualquer novela (bem como na vida real).

O casal que vai andar a novela inteira para casar, por falta de dinheiro. A rapariga boazinha e órfã que vai terminar uma drogada por causa das más companhias.

Os empregados gozões de um supermercado de um centro comercial (que fazem parte do núcleo cómico).

… Isto, claro, tendo como pano de fundo o desemprego e a austeridade.

Tal como na telenovela da TVI, existem papeis repetidos nos mesmos actores de sempre, embora menos.

Tal como em grande parte das telenovelas da SIC, cada núcleo vai “explodir” durante um determinado número de episódios e depois desaparecer sem deixar rasto. O homem homossexual assumidido é já a primeira vitima: dentro de alguns episódios desaparecerá (4).

O marketing de Dancin Days

Diferenciador entre as duas novelas: a SIC apostou mais no marketing.

Os homens do marketing da SIC elegeram a Renascença como rádio oficial da telenovela. Isso traduz-se em mais divulgação (5): visitas aos bastidores da telenovela, conteúdos exclusivos, participação de profissionais da Renascença na telenovela, destaque para as músicas da telenovela, etc… Para além disso foram usados outros meios: mupis, rádios, imprensa, em centros comerciais Dolce Vita (Lisboa, Coimbra e Porto), Rock in Rio Lisboa, oferta de brindes com o jornal Metro,etc.

Em relação à promoção: o slogan “Vale a Pena Sonhar” foi escolhido , «numa clara alusão à importância de incutir esperança e positivismo, num período difícil para todos os portugueses», segundo um comunicado da SIC na altura do lançamento da produção. O tema do genérico também contem uma alusão à ideia de sonhos realizados, mas convém saber como as personagens resolvem a questão… Portanto, podemos afirmar, com alguma ironia, decerto: Vale a Pena Sonhar, Viva a Austeridade!

Conclusão

Aparte de um núcleo principal, a maiorida das novelas tem os restantes núcleos segundários estão pouco desenvolvidos. Essa foi uma das criticas de São José Correia.

Não há tradição em Portugal de desenvolvimento de personagens polémicas (e mesmo as não-polémicas são muitas vezes), ao contrário do Brasil. E, claro, também por uma questão de racionalidade económica: há que dispensar actores. Seria interessante perguntar-se aos argumentistas se este estado da arte não se deve também a algum preconceito contra temas “quentes” e “fracturantes”.

Existe também uma grande crise da criatividade. Essa crise sente-se tanto na SIC como na TVI. Na TVI nota-se mais porque vem de uma posição de liderança, em descrescendo. A SIC está apenas a começar – posição em que se mantém há demasiados anos, aliás. O começo é sempre uma boa desculpa.

Louco Amor não inovou quase nada. Dancin Days é um refazer de uma história de outro autor (Gilbeto Braga), pelo que a inovação é muito menor do que poderia ser.

Por fim, uma pergunta: não existiriam telenovelas sem amores complicados? Penso que sim.

(3) Gilberto Braga: “Nada de ciúme da versão musical de Dancin’ Days, dirigido por Möeller & Botelho” (publicado no blogue oficial de Charles Möeller & Claudio Botelho, dois produtores musicais brasileiros).

(4) 1,5 milhões viram revelação gay (Correio da Manhã, 18/08/2012).

(5) SIC põe marcha campanha multimeios para Dancin Days (Meios & Publicidade, 29/05/2012).

Fonte das Imagens: A Televisão; Arte Plural; Meios & Publicidade; TV-Migrante.

Ver Também: Louco Amor e Dancin Days: as telenovelas da austeridade pop : parte 1

Leituras Complementares:
“Em novela trabalhamos o dobro”
‘Dancin’ Days’ ganha nova versão em canal português

Isabel Medina dispensada de “Louco Amor”

Autor de ”Louco Amor” diz-se ”perplexo” com resultados da novela

Anúncios