Coisas Giras de Portugal em 2011 (20)

«O antigo Presidente da República afirmou hoje que a classe média terá dificuldade em suportar uma carga fiscal tão elevada.

Mário Soares foi a estrela do dia na universidade de Verão do PSD. Depois de Assunção Esteves ter poupado nos comentários aos jornalistas, o antigo Presidente da República, o primeiro a falar no evento social-democrata, chegou sorridente, mas “preocupado” com o aumento de impostos.

Soares, em Castelo de Vide “a convite do amigo Carlos Coelho”, avisou que se “caminha perigosamente para o limite” do que a classe média aguenta de carga fiscal e assumiu a surpresa quanto ao volume dos aumentos: “Não esperava tanto”. Medidas alternativas? “Não sei. Não sou ministro”, disse.

Sobre a inclusão de um limite ao endividamento na Constituição, o histórico dirigente socialista pediu cautela. “Para isso, são precisos dois terços da AR. É preciso cuidado.”»

Filipe Garcia (02/09/2011) (1)

«O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, ensinou este sábado os jovens sociais-democratas a limpar os contribuintes sem ter pena deles. A aula decorreu na Universidade de Verão do PSD, que se realiza em Castelo de Vide.

 “É natural que vocês, quando aumentam o vosso primeiro imposto, sintam alguma pena do contribuinte, por isso não podem olhá-los nos olhos. Aplicam o imposto e vão ao cinema, que é o que eu faço”, explicou o ministro das Finanças.

Os jovens sociais-democratas, que tiraram muitas notas, perguntaram a Vítor Gaspar se nunca por um momento sentiu pena dos contribuintes. “Numa ocasião sim”, relatou o ministro, “numa ocasião agravei um imposto e vieram-me as lágrimas aos olhos, mas telefonei à Troika, que me lembrou que o contribuinte é um animal selvagem e a natureza é mesmo assim. Desliguei o telefone e ainda lancei mais uma taxa sobre o imposto que tinha acabado de agravar”.

 À saída, os jovens sociais-democratas mostraram estar preparados para limpar os contribuintes sem ter pena deles, mas houve um jovem que deixou a sala a meio da aula e foi filiar-se no CDS. Contactado pelo Imprensa Falsa, este jovem explicou que compreende a necessidade de limpar os contribuintes, mas não gosta de ver: “Sou fraco, admito, faz-me muita impressão. E aqui no CDS não se vê, o contribuinte já vem às postas. É só comer.”»

Ze Pedro (03/09/2011) (2)

«As pressões intensas do Governo de Espanha para a construção da linha de alta velocidade Lisboa-Madrid levaram o Executivo de Passos Coelho a estudar a hipótese de construir um TGV menos dispendioso do que os 1,7 mil milhões previstos para aquela linha.

Nesse sentido, o secretário de Estado das Obras Públicas, Sérgio Monteiro, já iniciou contactos informais com a empresa Soares da Costa, que lidera o consórcio a quem foi adjudicada a construção da linha, para renegociar o contrato.

O objectivo do Governo passa por retirar parte das obras do contrato adjudicado – documento que, aliás, ainda aguarda o visto prévio do Tribunal de Contas para ser válido.

Eliminar a construção da linha de mercadorias entre Évora e o Caia ou não construir a estação de Évora são alguns dos exemplos de cortes que poderiam ajudar a reduzir significativamente o custo da linha.

Outra questão que está a ser analisada é, ainda, a entrada do TGV em Lisboa ser feita pela ponte de 25 de Abril.»

Frederico Pinheiro (3)

Comentarium: Agora so falta vermos um porco a andar de bicicleta (como alguém já disse).

Leituras Complementares:

Carlos Coelho (Wikipédia em Português)

Vítor Gaspar (Wikipédia em Português)
A universidade que nasceu de uma irritação de Durão Barroso

TGV (Wikipédia em Português)

Ziguezagues a alta velocidade

Naturalmente

(1) No Diário Económico.

(2) Blogue Imprensa Falsa. Atenção: esta noticia e falsa mas poderia ser verdadeira.

(3) E Luís Rosa. Publicado no jornal Sol.

Fonte da Imagem: Pigs and Pigs.

Anúncios