Coisas Giras de Portugal em 2011 (15)

«Há um ano e picos (27 de Dezembro de 2009), publiquei uma crónica a que dei o título “Pacheco Pereira e os bolcheviques à portuguesa, suaves”. Nela, eu emendava-o. Dias antes, na revista Sábado, Pacheco Pereira (PP) dissera que o Bloco de Esquerda (BE) era de revolucionários da tanga, hesitantes entre a democracia burguesa, na qual já debicavam algumas benesses, e as saudades da via revolucionária. Para sublinhar a hesitação do BE, PP serviu-se, como contraponto, do blogue 5 Dias: aí, sim, havia revolucionários puros e duros, o último reduto da violência revolucionária! Estando substancialmente de acordo com PP sobre o BE, dediquei a minha crónica a emendá-lo sobre os do tal blogue – eram tão da tanga como os outros só que mais esganiçados, expliquei eu pacientemente. É certo que quem por lá passasse podia assustar-se com um que tecia loas ao norte-coreano Kim Jong-il, ou outro – na esteira do maluquinho que partira a cara de Berlusconi com uma estatueta – que proclamava a via revolucionária a golpes de estatuetas: “O que a democracia não resolve tem de ser o povo a resolver!…” Mas bolcheviques à portuguesa, bolcheviques suaves, insisti. Ontem, soube-se que António Figueira, do blogue 5 Dias, foi contratado para o gabinete do ministro Miguel Relvas. Há nesta história um tipo certo (Relvas, que escolheu alguém culto e que escreve muito bem) e um tipo errado (PP, que se enganou de revolucionário). É só.»

Ferreira Fernandes (23/08/2011) (1)

(1) Coluna de opinião do Diário de Noticias.

Fonte das Imagens: Câmara Corporativa; Wikipedia em Portugues (artigo sobre Wang Jingwei).

Anúncios