Citações para Memória Futura (13)

«O programa do PSD sobrevive às soluções da troika?

Quando me reuni com a troika, comecei por dizer-lhes: ainda bem que esta missão é aberta, vai falar com os partidos políticos, com a sociedade civil, com representantes empresariais, etc. Lamentamos que a missão que a União Europeia e o BCE mandaram cá em Fevereiro, e que está na origem desta crise política, tenha sido uma missão clandestina. Entreguei também um documento em que fazemos a análise crítica do modelo grego. E apresentei as nossas medidas. A troika absorveu medidas mas não absorveu adequadamente a nossa filosofia de virar a austeridade agora totalmente para o Estado, para o sector empresarial do Estado, para as parcerias público-privadas. Mas continua a apostar no aumento de impostos. Somos contra isso.

Como putativo ministro, aceita ficar responsável pelas Finanças com este programa da troika?

O programa do PSD não põe em causa os objectivos de variações orçamentais nem os das políticas estruturais, mas nós garantimos uma coisa: se o PSD for Governo, fica com a liberdade de os convencer tecnicamente de propostas de medidas alternativas sem prejuízo dos objectivos. Ao contrário do PS, que aceitou passivamente tudo – e ao arrepio do que dizia o primeiro-ministro que nunca governaria com o FMI e que assinou sem restrições -, nós, na nossa carta deixamos essa condição. O país foi levado à bancarrota por um conjunto de políticas erradas e não tinha outra alternativa senão intensificar o plano de ajuda externa, porque ajuda externa já temos há um ano e tal, com 40 mil milhões de euros do BCE; agora são mais 78 mil milhões de euros. É apenas a segunda etapa.

(…) Mas as sondagens…

Repare: o Hitler tinha o povo atrás de si até à derrocada, até à fase final da guerra. Faz parte das características dos demagogos conseguirem arrastar multidões. José Sócrates, honra lhe seja feita, é um grande actor, um mentiroso compulsivo, que vive num mundo virtual em que só ele tem razão. Tem uma máquina de propaganda montada há seis anos, poderosa. E o PSD tem uma máquina artesanal no campo da comunicação. Mas eu tenho esperança que o bom senso prevaleça entre os portugueses e que quem levou o país à falência não pode liderar o processo de recuperação.»

Eduardo Catroga (11/05/2011) (1)

«Fernando Ruas, Presidente da Câmara de Viseu e da Associação Nacional de Municípios, defendeu hoje, ideia da suspensão da TDT (Televisão Digital Terrestre), que virá substituir a actual Televisão Analógica de sinal aberto.

“Este processo que não considera prioritário e que vai afectar as famílias com baixos recursos. Não sei se é possível pedir a um cidadão que mude para televisão digital e pague 200 euros. As pessoas não percebem”

(…) Deveria ser a intenção do Presidente da Camara de Viseu e da Associação Nacional dos Municípios, defender o interesse nacional e dos cidadãos do seu distrito e tudo fazer (mesmo que seja à pedrada), pelo cumprimento das contrapartidas acordadas pela PT. O mesmo se aplica à Vice-presidente da CP do PSD- Nilza Sena. Ao invés, é-lhes mais fácil pedir mais um subsídio, pago pelos contribuintes, que libertaria a PT das suas obrigações contratuais, e teria como consequência o aumento do défice em 0,3%.»

Manuel Castel-Branco (11/05/2011) (2)

António Nogueira Leite (11/04/2001) (3)

(1) Entrevista ao Público, conduzida por Leonete Botelho e São José Almeida. Reproduzida no Público Online.

(2) Blogue 31 da Armada.

(3) No Facebook. Imagem retirada do blogue Câmara Corporativa.

Anúncios