A palavra impossível

«Deram-me o silêncio para eu guardar dentro de mim
A vida que não se troca por palavras.
Deram-mo para eu guardar dentro de mim
As vozes que só em mim são verdadeiras.
Deram-mo para eu guardar dentro de mim
A impossível palavra da verdade.

Deram-me o silêncio como uma palavra impossível,
Nua e clara como o fulgor duma lâmina invencível,
Para eu guardar dentro de mim,
Para eu ignorar dentro de mim
A única palavra sem disfarce –
A Palavra que nunca se profere.»

Adolfo Casais Monteiro

Comentarium: Quando se fala de poesia referimo-nos a uma composição literária em verso (embora também haja a prosa poética). Serve para celebrar o(s) deus(es), conservar na memória acontecimentos importantes para uma pessoa ou povo, seduzir, deixar mensagens a(o)s amada(o)s, desabafar, dar voz a causas políticas (e tudo o resto), massajar o ego do escritor, servir de complemento à musica para criar canções, etc.
Não é tão fácil de ler como a prosa, por isso para muitos é inútil.
Quanto ao poema de Adolfo Casais Monteiro, ele fala por si.

Anúncios