Maitê em Portugal, a indignação e o seu reflexo

Maite ProençaMaitê Proença é uma actriz brasileira, cujo modo de vida é entreter e impacientar os brasileiros. Para indignar, e para ganhar a vida, usa vários recursos: telenovelas, peças de teatro, um talk show e nos últimos anos livros. É uma pessoa frágil psicologicamente, e por isso tem-se reflectido nos seus livros – pelo menos é isso que dá para perceber pelos resumos disponíveis na Internet e pelas entrevistas que li dela. No Brasil é olhada por muitos como uma “tia”.

Como os brasileiros, e especialmente a rede Globo, tem exportado a sua cultura em doses industriais, também Portugal tem tido a sua dose de Maitê Proença. Desta vez apareceu um vídeo de 2007, perdido num site de partilha de vídeos, que indignou a blogosfera portuguesa. Este vídeo fez parte do programa “Saia Justa“, um programa onde mulheres brasileiras artistas comentam a actualidade, falam do seu quotidiano secante ou gozam com quem lhes apetece, normalmente brasileiros. Falam sempre como se não existisse nada de mais interessante no mundo que as suas palavras vazias. E isto é entretenimento!

Olhando à superfície deste caso, esta indignação da blogosfera portuguesa não tem qualquer justificativa, pois ninguém vilipendia Portugal como os portugueses! Nem ninguém goza com o próprio país mais que nós! E pior: nós temos toda a razão para fazê-lo! Por isso, e porque existem programas em Portugal parecidos com o “Saia Justa”.

Olhando o que encobre esta indignação, vemos outra coisa. Os portugueses estão cansados de serem colonizados pelos brasileiros, tanto os do Brasil como os de Portugal. Cansados de ser ultrapassados em todos os domínios por eles, o últimos dos quais foi a marcação dos Jogos Olímpicos. Cansados que os brasileiros lhe imponham coisas (uma dessas imposições foi o Acordo Ortográfico). Indignação haver gente portuguesa a dizer que queria ir para o Brasil, porque não se sente acarinhado o suficiente em Portugal. Essas e outras indignações…

Assim, a raiva perante as palavras de Maitê Proença é legítima, não por aquele vídeo ser especialmente ofensivo, mas porque todo este caso é um reflexo da impotência e do complexo de inferioridade português que é necessário combater. Esse sentimento não desaparecerá com um vídeo da actriz a pedir desculpas, mas com outras políticas portuguesas, menos subservientes aos interesses brasileiros.

Por fim, tanto o vídeo da actriz brasileira (com a sua pose gozona e snob) como a reacção portuguesa indignada escondem um racismo mútuo, mais ou menos visível consoante a pessoa com quem falamos: os portugueses colonizaram o Brasil logo estes só podem dizer bem de Portugal; os brasileiros estão no primeiro mundo, logo os portugueses são uns aprendizes.

Leituras Adicionais:

Maitê Proença em Portugal;

Maitê Proença grava novo vídeo a pedir desculpas.

Fonte da Imagem: Patricia Kogut.com.

Anúncios